Microsoft retira Paint do Windows e Romero Britto anuncia aposentadoria

Uma notícia bombástica abalou o milionário mercado de quadros prontos em lojinhas de moldura. Romero Britto, renomado artista plástico brasileiro radicado em Miami, nos Estados Unidos, anunciou hoje sua aposentadoria, o que pode acabar para sempre com as cores nas residências de Alphaville e da Barra da Tijuca. Segundo amigos próximos, a razão da atitude inesperada foi o fim do programa de desenho Paint, do Windows, que será retirado do sistema operacional da Microsoft na próxima atualização.

A gigante dos softwares vai substituir o Paint por outro programa de imagens, só que mais complexo e com função 3D. A medida afetaria diretamente a produção artística de Romero Britto, que, entre uma partida e outra de Campo Minado em seu 486, desenha e colore seus quadros usando ferramentas complexas como pincel, gerador de círculos e retângulos e, acima de tudo, aquela latinha de tinta que pinta todo o espaço em branco quando o contorno está completinho. “Ele até tentou usar o Corel Draw ainda nos anos 1990, mas não se adaptou”, disse Suvi Neal, galerista e agente do pintor no Brasil. “Mas o balão colorido da embalagem do software foi de grande influência em sua obra.”

O anúncio da aposentadoria gerou pânico entre os donos de papelaria e lojas de moldura de shoppings em todo o país. “A obra de Romero Britto foi a grande responsável por aproximar a classe média da arte contemporânea brasileira”, disse Carlos Sáenz, dono de uma franquia da Moldura Agora no Shopping da Gávea, no Rio de Janeiro. “Agora teremos que voltar a investir em quadros de gatinhos vestidos como gente e posters de filmes velhos”, lamenta o empresário.