Livre negociação já dá resultado e funcionário pode escolher ganhar menos ou ser demitido

O Senado aprovou na noite de ontem o texto base da reforma trabalhista, que agora segue para a sanção do presidente Michel Temer. A reforma muda a lei trabalhista e traz novas definições sobre férias, jornada de trabalho, remuneração, horários e outras questões. Com a aprovação, trabalhadores do Brasil inteiro já se adiantaram e começaram a negociar diretamente com seus patrões. A primeira escolha para a classe trabalhadora será entre ganhar menos ou perder o emprego.

No entanto, a reforma possui alguns pontos positivos, que foram destacados por alguns trabalhadores.

“Com o enfraquecimento dos sindicatos, agora a gente pode falar direto com o chefe e isso é ótimo! Ontem, por exemplo, a gente tava reclamando que não tinha café na empresa, quando a reforma foi aprovada, falei com o chefe pelo WhatsApp e ele mandou eu mesma levar o café. Muito mais autonomia” conta a funcionária de uma empresa no Centro do Rio.

Outra funcionária, de uma empresa de São Paulo, também reconheceu as vantagens da reforma:

“Antes a gente só poderia trabalhar 8h por dia, agora dá pra trabalhar por 12h! Tá uma loucura lá em casa, prefiro ficar na empresa” disse.

Sobre a pausa para repouso ou almoço, que antes era de no mínimo uma hora, agora pode chegar a só 30 minutos.

“Eu achei ótimo. Antes eu tinha que aguentar o pessoal da firma por uma hora inteira no restaurante da esquina ou na copa, quando eu trazia o almoço de casa. Agora são só trinta minutinhos. Passa rápido e eu ouço menos fofoca de quem tá pegando o Jorge do financeiro”.