Fantasias de KKK provam que algo não deu certo nos terceiros anos de escolas particulares

Na mesma semana em que veio à tona a tradição de escolas particulares gaúchas de terem uma festa “se nada der certo” em que alunos se fantasiaram de garis, faxineiras e atendentes de fast food, uma escola de Salvador conseguiu ir mais longe. Durante uma festa à fantasia chamada “tribos urbanas”, dois adolescentes compareceram com fantasias do grupo que prega a supremacia branca Ku Klux Klan. A escola disse “discordar” das fantasias, mas nada foi feito a respeito. A KKK matou, perseguiu e persegue negros nos Estados Unidos.

Com isso, o MEC acaba de admitir que os terceiros anos de escolas particulares talvez precisem de uma nova disciplina. “Vamos introduzir uma matéria chamada ‘noção’, obrigatória, porque aparentemente é algo que eles não estão recebendo em casa”, disse um técnico do ministério.

“Outra opção seria o aluno não precisar fazer o terceiro ano e ir direto para a faculdade particular, já que ele vai pagar pela vaga mesmo”, completou.