Estado Islâmico não assume autoria de ministro Napoleão

Enquanto o Brasil se surpreende ao conhecer mais um personagem sui generis de seu judiciário, porta-vozes do Estado Islâmico na Síria parecem também estar ligados no que acontece por aqui.

O ministro do STE Napoleão Maia Filho votou hoje pela absolvição da chapa Dilma-Temer, citando entre outras coisas que “abuso de poder tem em toda eleição”.

Durante um momento tenso, o ministro, com o dedo em riste, pediu que sobre quem escreve que ele foi citado em delação da JBS “desabe a ira do profeta”, e depois fez um gesto de decapitação.

 

O Estado Islâmico, ao ver uma de suas frases patenteadas ser usada pelo ministro, logo se pronunciou em vídeo.

“Não assumimos a autoria de mais esse ataque ao brasileiro. Não temos nada a ver com isso”, disseram. “Achamos este infiel (sic) muito radical”.

Mais cedo, o filho de Napoleão tentou invadir o TSE às pressas, vestido com roupas esportivas e com um envelope na mão. Segundo Napoleão, eram fotos da neta que seu filho havia trazido em mãos porque não usa whatsapp.

“Também negamos os boatos de que o envelope conteria antrax”, disse o representante do EI.