Áudios revelados hoje mostram que o Movimento Brasil Livre, grupo que se dizia apartidário e organizou parte das manifestações em favor do impeachment de Dilma Rousseff, recebeu ajuda financeira de partidos políticos.

Segundo o UOL, o MBL recebeu ajuda financeira e de estrutura como impressão de panfletos e uso de carros de som de partidos políticos como o PMDB e o Solidariedade. Ainda segundo os áudios vazados, o MBL recebeu do PSDB ajuda financeira para bancar suas caravanas na forma do pagamento de lanches e aluguel de ônibus.

Ao saber do vazamento dos áudios, um dos líderes do MBL, o ex-inocente útil e atual culpado útil Kim Kataguiri disse que não houve “mortadela”.

“Foi Toddynho e bisnaguinha. E Danoninho de sobremesa para quem gosta. Depois eles emprestaram um carro de som para a gente ouvir Patati e Patatá e tirar a soneca da tarde”, disse.

Já Renan Santos, outro líder do MBL, afirma que a mortadela foi trocada por peito de peru defumado. “Não nos metemos com essa gentalha. Pedimos um prosciutto di parma ao nosso patrão, o deputado Eduardo Cunha, mas infelizmente ele disse que teria que ser só um peito de peru mesmo porque ele estava com um probleminha na conta bancária dele e a agência, que fica em Genebra, já tinha fechado”, disse Kim.

M Zorzanelli