Após serem presos, os PMs que executaram cinco jovens desarmados dentro de um carro em Costa Barros, RJ, começam a pensar no futuro.

Os policiais militares que fuzilaram o carro em que os cinco jovens passeavam na madrugada do domingo e que depois plantaram uma arma para forjar um auto de resistência pensaram em seguir carreira no Estado Islâmico. Muitos estão prec

“Faz sentido, não faz?”, perguntou o advogado de um dos PMs. “É o mínimo que o estado do Rio de Janeiro pode fazer por ele, já que ele foi treinado para agir assim. Mas na hora que faz o que é mandado, é preso. Quando eles saírem, daqui alguns dias, querem trabalhar num lugar que dá mais condições e melhor plano de carreira dentro do campo do terrorismo. A PM do Rio está muito desorganizada nesse ponto.”

O que eles não esperavam é que o próprio Estado Islâmico tenha respondido à sugestão. Em uma das contas de Twitter associadas ao EI, a seguinte declaração foi postada:

“Não queremos saber desses PMs. São muito covardes e mentirosos. Até os nossos guerreiros que trabalharam em Paris e voltaram para casa estão revoltados. Pergunta se algum deles plantou uma arma na mão de alguém em Paris?”