O professor de história Aldemir Alves que a princípio faltaria um dia de trabalho em que daria uma aula sobre o período da ditadura militar para participar dos protestos no Paraná, resolveu unir as duas coisas e elaborou uma aula prática sobre o tema no próprio protesto.
O professor dava explicações da matéria aos alunos enquanto apanhava de policiais e inalava gás lacrimogêneo e spray de pimenta. Segundo ele, essa seria uma forma de fixação do conteúdo pelos alunos, mais eficiente do que paródias de funk com letras adaptadas.
Um outro professor que foi ao protesto com objetivo de evitar qualquer tipo de confronto tentou ir vestido com uma camiseta da CBF para anular a agressividade da PM, mas infelizmente seu salário não deu para comprar a peça.